Pesquisar neste blog

quinta-feira, 22 de setembro de 2022

CLIPPING! Portais de Pesquisa de A-Z


 

Você conhece a lista de 271 Bases de Dados disponíveis na USP?

Dentre tantas opções destacamos abaixo links que indexam publicações abertas ou restritas em CIÊNCIAS BIOLÓGICAS e áreas afins!

Mas... ATENÇÃO!

Para acessar os portais restritos é preciso conectar-se à rede EDUROAM USP ou utilizar a conexão remota via VPN USP.

Quer descobrir um novo mundo? Comece por aqui.

ACESSE!

-------------

Academic Search Premier – ASP

Animal Health & Production Compendium (CABI Publishing)

Annual Reviews – Coleção de Periódicos

Aquaculture Compendium (CABI Publishing)

BASE – Bielefeld Academic Search Engine

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações – BDTD Brasil

Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP (BDTD)

BioEd Online

Bioline International

BioOne

Botanicus Digital Library

CAB Abstract (CABI) | CAB Direct – CABI

Crop Protection Compendium (CABI Publishing)

DOAB: Directory of Open Access Books

DOAJ – Directory of Open Access Journals

Ecological Society of America (ESA)

Energy Citation Database

Forestry Compendium

GeoScienceWorld

Invasive Species Compendium (CABI Publishing)

Issues in Environmental Science and Technology (RSC)

JSTOR – Ecology and Botany I | JSTOR – Ecology and Botany II | JSTOR – Life Sciences

JSTOR – Global Plants

Mary Ann Liebert

National Geographic

OASIS IBICT

Oxford Journals – Coleção de Periódicos

Pearson Biblioteca Virtual

Portal de Busca Integrada USP

Portal de Livros Abertos da USP

Portal de Periódicos Capes

Portal de Revistas da USP

PubMed (Medline)

PubMed Central

SciELO Periódicos

ScienceDirect

ScienceDirect E-books All Access

Scopus

Springer Link

Taylor & Francis

Wageningen Academic Press (WAP) – Coleção de eBooks

Web of Science

Wiley Online Library – Coleção de Periódicos

Zoological Record

---------------

Precisa de apoio? Pergunte à Bibliotecária: referencia.esalq@usp.br


Renascer solidário


Junte-se a nós na Campanha: “Renascer Solidário” para arrecadarmos brinquedos novos e usados em bom estado a serem doados às crianças da Comunidade Renascer, do bairro Jardim Nova Suíça, em Piracicaba.

É possível realizar doações em dinheiro, via PIX, na conta da representante do ENACTUS, Maria Eduarda Alcantara (Chave  PIX: duda.2012@hotmail.com).

As arrecadações ocorrerão entre os dias 19/09 e 10/10, nos pontos de coleta dentro do campus: Prédio da Engenharia, Bloco da Economia, Biblioteca Central, Central de Aulas, RUCAS, Divisão de Atendimento à Comunidade (DVATCOM), Casa do Estudante Universitário (CEU) e ADEALQ.

Na comunidade há cerca de 400 crianças, com faixa etária predominante de 5 a 10 anos, que receberão jogos didáticos, bolas, bonecas, materiais de cozinha de brinquedo, etc.

A entrega será realizada na Comunidade pelos grupos de extensão no dia 15/10, na semana do Dia das Crianças.

Contamos com a Comunidade Esalqueana para fazer renascer a solidariedade neste Dia das Crianças!

A Divisão de Biblioteca da ESALQ apoia esta causa!


Ligiana Clemente do Carmo Damiano

Responsabilidade Social DIBD

sexta-feira, 9 de setembro de 2022

Casa Branca diz que trabalhos de pesquisa financiados pelo governo devem ter acesso aberto a partir de 2026




Tradução livre do artigo "White House says federally-funded research papers must be open access from 2026".


A Casa Branca anunciou uma grande mudança de política pela qual todas as publicações resultantes de pesquisas financiadas pelo governo federal e seus dados de apoio devem ser disponibilizados imediatamente e gratuitamente a todos. Houve uma reação de muitos editores científicos, que precisarão implementar a controversa nova diretiva até o final de 2025.

Sob a nova regra do governo Biden, agências de pesquisa dos EUA, como a National Science Foundation (NSF) e o National Institutes of Health (NIH), terão que atualizar suas políticas de acesso público o mais rápido possível e até 31 de dezembro de 2025. Eles devem disponibilizar publicamente os trabalhos de pesquisa de seus bolsistas sem o atual período de embargo de 12 meses que está em vigor desde 2013.

Em seu memorando aos chefes de departamentos e agências executivas dos EUA, o Escritório de Política Científica e Tecnológica da Casa Branca (OSTP) argumentou que o embargo de 12 meses restringiu o acesso imediato aos resultados de pesquisas apoiados com dólares dos contribuintes apenas àqueles que podem pagar por ou que tenham acesso privilegiado através de bibliotecas ou outras instituições.

“Esta orientação política encerrará o atual embargo opcional que permite que editores científicos coloquem pesquisas financiadas por contribuintes atrás de um paywall baseado em assinatura – o que pode bloquear o acesso de inovadores para quem o paywall é uma barreira, até mesmo impedindo o acesso de cientistas e suas instituições acadêmicas. aos seus próprios resultados de pesquisa', afirmou o OSTP . A diretora do escritório, Alondra Nelson, disse que os contribuintes americanos financiam dezenas de bilhões de dólares em pesquisas de ponta anualmente e merecem ver os retornos de seus investimentos.

Uma ordem executiva semelhante circulou na Casa Branca de Trump no final de 2019, mas as partes interessadas, incluindo editores de periódicos, se opuseram publicamente a uma versão vazada antes de ser lançada. A nova diretiva Biden também exige que as agências desenvolvam planos para melhorar a transparência da pesquisa que financiam, incluindo a divulgação clara de autoria, financiamento e afiliações. A OSTP trabalhará com as agências para atualizar seus planos de acesso público e compartilhamento de dados até meados de 2023.

O NIH e a NSF apoiam o anúncio da Casa Branca. "Estamos entusiasmados em avançar nesses importantes esforços para tornar os resultados da pesquisa mais acessíveis e esperamos trabalhar juntos para fortalecer nossa responsabilidade compartilhada em tornar os resultados da pesquisa financiados pelo governo federal acessíveis ao público", afirmou o diretor interino do NIH, Lawrence Tabak . Ele disse que a agência desenvolverá e compartilhará seus planos para implementar a nova orientação nos próximos meses.


Um 'momento histórico'

Um porta-voz da NSF disse que o aumento do acesso público a pesquisas e dados financiados pelo governo federal “ajudará a impulsionar a descoberta e a inovação e promover a equidade”. A NSF pretende atualizar seu plano de acesso público até o final de fevereiro de 2023 e implementá-lo até dezembro de 2024.

Universidades de pesquisa e bibliotecas nos EUA também estão entusiasmadas com o plano. Por exemplo, a Association of Research Libraries (ARL) – uma organização sem fins lucrativos de bibliotecas de pesquisa nos EUA e Canadá – saudou o anúncio, chamando-o de “um momento histórico para as comunicações científicas” .

Enquanto isso, a Associação de Universidades Americanas (AAU) disse que sempre foi um 'forte defensor' da disponibilização pública de estudos financiados pelo governo federal, bem como da introdução do período de embargo de 12 meses em 2013 . "O anúncio de hoje pela OSTP representa um importante passo em frente no avanço do acesso público", acrescentou a AAU. O grupo está atualmente revisando o anúncio da Casa Branca para determinar quais implicações específicas ele tem para suas instituições e seus membros do corpo docente.

Sem surpresa, a resposta dos editores foi morna. A Association of American Publishers (AAP), por exemplo, disse que a nova política de acesso aberto de Biden foi anunciada sem consulta suficiente, embora tenha “ramificações abrangentes, incluindo um sério impacto econômico” na indústria editorial.

Shelley Husband, vice-presidente sênior de assuntos governamentais da AAP, destacou que muitos editores tornaram seu processo de publicação mais rápido e eficiente, lançando regularmente novos periódicos e adotando diversos modelos de publicação e acesso para apoiar os pesquisadores.

'Este importante trabalho faz parte de um mercado competitivo voltado para a excelência; é muito diferente do que o governo impõe modelos de negócios', afirmou Husband. Ela se perguntou como os editores, especialmente os pequenos, conseguirão manter a precisão, a qualidade e a produção que o interesse público exige sob o novo esquema do OSTP.


Acompanhando a situação

A American Chemical Society (ACS), que é membro da AAP, também está acompanhando cuidadosamente a situação. James Milne, presidente das publicações da ACS, disse que a nova diretiva de Biden representa “uma mudança significativa na direção das políticas”. A organização, que publica mais de 60 periódicos acadêmicos, está atualmente avaliando os detalhes da orientação da Casa Branca e acompanhando a análise econômica para determinar o impacto potencial em suas atividades de publicação e diretamente nos pesquisadores dos EUA.

"As especificidades das políticas da agência federal que esta orientação impacta ainda não foram determinadas", afirmou Milne. No entanto, ele observou que a ACS já oferece opções de acesso aberto que atendem às necessidades de conformidade de seus autores e implementou rotas para autores que exigem acesso público imediato a seus artigos que relatam pesquisas financiadas pelo governo dos EUA e os dados relacionados a eles.

Além dos EUA, a diretiva Biden também é apoiada pela Coalition S, um consórcio internacional de financiadores no Reino Unido e na Europa que está trabalhando para fornecer publicação de acesso aberto total e imediato.

"Esta nova política dos EUA é um divisor de águas para a publicação acadêmica", afirmou Johan Rooryck, diretor executivo da Coalition S. "Além de sua ênfase no acesso aberto imediato, saudamos o foco na redução das desigualdades na publicação, especialmente entre indivíduos de origens carentes e aqueles que estão no início de suas carreiras", disse ele. 'Uma declaração tão forte, de um país que está liderando em muitas áreas de pesquisa, avançará muito nos esforços para o acesso aberto global.'

A Coalition S disse que planeja trabalhar com a OSTP e outras organizações de pesquisa em todo o mundo para alinhar ainda mais suas políticas para fornecer 'acesso aberto total e imediato aos resultados da pesquisa'.

Mark Histed, um neurocientista que dirige a unidade de computação neural e comportamento do Instituto Nacional de Saúde Mental do NIH, adverte que o diabo está nos detalhes. “Neste momento, alguns periódicos de acesso aberto estão cobrando US$ 5.000 dos autores e há muita gente pagando isso. Eu prevejo que essas taxas vão até $ 10.000 + com esta política ', twittou Histed . 'Grandes editoras acadêmicas já testaram a mudança de sua fonte de renda para taxas de publicação. Essas taxas geralmente vêm de subsídios federais.' A boa notícia, acrescentou, é que os preprints estão em alta. Mas muitos pesquisadores estão preocupados que o ônus de pagar para publicar sob a nova política recairá sobre pesquisadores individuais.

Rachel Borchardt, bibliotecária de comunicações acadêmicas da American University em Washington DC, twittou que a nova orientação solicitará que os manuscritos pós-revisão por pares sejam enviados para um repositório , que é conhecido como acesso aberto 'verde'. Ela observou que existem muitos repositórios gratuitos atualmente, incluindo o PubMed Central, e que sua universidade tem o seu próprio, bem como suporte financiado pela biblioteca para taxas de publicação de acesso aberto.

segunda-feira, 18 de julho de 2022

Sistema inoperante para empréstimos, renovações e reservas nos dias 21 e 22 de julho de 2022

A pedido da ABCD (Agência de Bibliotecas e Coleções Digitais da USP), retificamos a mensagem anterior enviada aos docentes, alunos e pesquisadores do campus sobre indisponibilidade de Sistemas ABCD, em razão de manutenção elétrica no datacenter.

Segundo a ABCD, a empresa responsável por um dos datacenters alterou o cronograma e vai realizar a manutenção de energia elétrica programada nos dias 21 e 22/07/2022

Diante do exposto, informamos que o sistema para empréstimos, renovações e reservas estará inoperante nestes dias. As atividades serão retomadas após o restabelecimento dos sistemas, no próximo sábado (23/07).

Ressaltamos que os vencimentos neste período serão renovados para o dia 25 de julho de 2022, de forma que os usuários não sofram as penalidades previstas por atraso.

sexta-feira, 3 de junho de 2022

Divisão de Biblioteca convida para o lançamento do livro Hidrologia florestal aplicada: planejando as interações entre a floresta e a água




No dia 24 de junho de 2022, sexta-feira, às 16h, a Biblioteca Central da Esalq-USP, promove o coquetel de lançamento do livro Hidrologia florestal aplicada: planejando as interações entre a floresta e a água, dos autores Silvio Ferraz e Walter de Paula Lima, ambos professores do Departamento de Ciências Florestais da USP/ESALQ.

A obra apresenta e discute conceitos modernos sobre o conhecimento atual das relações entre as florestas e a conservação da água, como contribuição para a busca do maior equilíbrio entre a produção e conservação no planejamento de bacias hidrográficas, e como apoio ao aprendizado nos cursos de ciências agrárias e ambientais.

Ao longo de seus doze capítulos, são tratados conceitos fundamentais da hidrologia como o ciclo hidrológico e seus processos constituintes, a bacia hidrográfica como unidade integradora, o comportamento da água no solo e os processos eco-hidrológicos da zona ripária.

Aspectos aplicados de manejo de bacias hidrográficas, como o uso da água pelas florestas e seus serviços hidrológicos, entre outros, também fazem parte da análise, que inclui ainda um histórico das relações entre a floresta e a água e um apêndice com terminologia, unidades e transformações, de grande utilidade para o pesquisador.

Mais informações: https://sites.google.com/usp.br/hidrologia-florestal-aplicada/sobre-a-obra 


Serviço

  • Quando: 24 de junho (sexta-feira), a partir das 16h
  • Local: Biblioteca Central da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq-USP)
  • Avenida Pádua Dias, 11 | Piracicaba-SP

quarta-feira, 23 de março de 2022

Ermelinda Ottoni de Souza Queiroz

 


No artigo "O pioneirismo em Piracicaba" (09/01/2022, p. 4), a escritora Myria Machado Botelho relata recortes da vida de dois pioneiros que, à frente de seu tempo, deixam marcas de empreendedorismo na segunda metade do século XIX (Luiz Vicente de Souza Queiroz) e primeira metade do século XX (Maria Thereza de Moraes Silveira / Dona Therezinha).

Em seu parágrafo final, registra que "Alicerçada sobre forte tradição cultural, Piracicaba abrigou em seu seio numerosos expoentes, cujos nomes se projetaram e que, não sem motivo, a fizeram conhecida como "Atenas Paulista" e "Cidade das Escolas". Neste caso, vem à lembrança Ermelinda Ottoni de Souza Queiroz, esposa de Luiz de Queiroz.

No município, pouquíssimas pessoas ouviram falar de Dona Ermelinda e, mesmo dentro do Campus, poucos tem ciência da participação que exerceu em diversas ações pioneiras e empreendedoras de Luiz de Queiroz.

Na 64ª Semana Luiz de Queiroz (04 a 09/10/2021) ocorreu no dia 04 (2ª feira) a inauguração do Espaço Cultural 'Ermelinda Ottoni de Souza Queiroz', localizado no Jardim Francês, no entorno do Museu e Centro de Ciências, Educação e Artes 'Luiz de Queiroz', com a instalação de um gazebo que acolhe a estátua, em tamanho natural, "personificada em trajes da época e trazendo em suas mãos um missário, pois era uma pessoa muito benemérita e de fé".

Quem foi Ermelinda Ottoni de Souza Queiroz? Alguns lembrarão que foi esposa de Luiz de Queiroz, mas poucos sabem da importância de sua atuação na idealização e instalação da escola, após a morte de Luiz de Queiroz aos 49 anos, em 11/06/1898. A inauguração desta se efetua três anos depois, em 03/06/2001.

Uma busca bibliográfica (Pioneiros e Empreendedores, volume 2/2009, autoria do Prof. Jacques Marcovitch) registra que "Ermelinda, quando jovem, viajou com os pais Cristiano Ottoni e Bárbara de Barros Ottoni pela Europa, Estados Unidos e Ásia. Após seu casamento em 1880 com Luiz de Queiroz, continuou viajando para o exterior para visitar a irmã em Paris... "Ela também se dedicava aos empreendimentos e participava de reuniões de negócios com o marido. Entre seus legados conjuntos com o esposo estão a usina elétrica, a fábrica de tecidos e a Escola". A imprensa local comparava Ermelinda como uma das três mulheres de destaque de Piracicaba, em conjunto à americana Miss Martha Watts e à professora e médica belga Jeanne Renotte". Concluindo: uma mulher culta, poliglota e cosmopolita.

Em aula proferida no Curso de Atualização em Pioneirismo e Educadores Empreendedores / Palácio dos Campos Elíseos - SP, atividade complementar da Exposição Pioneiros & Empreendedores, a Profa. Marly Therezinha G. Perencin, estudiosa da história e memória da ESALQ, relata sobre o importante papel desempenhado por Ermelinda Ottoni de Souza Queiroz na realização do projeto da instituição que se tornaria a ESALQ. "Filha do conselheiro do Império Cristiano Ottoni, era uma figura à frente de seu tempo... Numa época em que as mulheres se escondiam em casa e ficavam dois passos atrás do marido na rua, dona Ermelinda andava lado a lado com o esposo e lhe dava apoio nos negócios, comportamento chocante para a sociedade piracicabana na época... Com um temperamento independente, dedicada aos seus empreendimentos, ela participava de reuniões de negócios com o marido mostrando-se austera, perspicaz e determinada, atributos arrojados perante a época em que viveu".

Fico imaginando como a sociedade patriarcal e conservadora prevalecente em boa parte de sua vida (nascimento em 21/03/1856 e morte em 07/04/1936, 80 anos completos) reagia diante desta decidida, resiliente e empoderada empreendedora, focada no alcance, efetivação e realização dos sonhos de seu marido.

Um parêntese: Os restos mortais do casal foram transladados para a ESALQ em 16/04/1964, estando defronte ao Prédio Central no Mausoléu que registra na lápide "A Luiz Vicente de Souza Queiroz, o Teu Monumento é a Tua Escola".

A expressão "Atrás de um grande homem, sempre tem uma grande mulher" perde sentido quando se conhece a trajetória de vida de Ermelinda Ottoni de Souza Queiroz, podendo-se afirmar que: "Ao lado de um grande homem empreendedor, sempre tem uma grande, empreendedora e empoderada mulher".

------------------------------

Obs. Publicado na Gazeta de Piracicaba, Ano XIX, n. 4731, 14/01/2022, p.2 (Opinião)


terça-feira, 22 de março de 2022

Biblioteca da Esalq: eu recomendo! - Depoimento do Professor Urgel de Almeida Lima

 


Dina Moretti, primeira bibliotecária de formação a trabalhar na Esalq.

1947! Eu era ingressante, vindo de uma escola de ensino médio que possuía uma biblioteca, mas na qual eu nunca entrara. Ao entrar na ESALQ, a biblioteca se afigurava com imenso depósito de livros que continha misteriosos conhecimentos fora de meu alcance. Mesmo conhecendo o Bibliotecário, Engenheiro Agrônomo Renato Bartholomeu, sempre gentil e prestativo, aquele enorme número de livros me assustava, pois não conseguia saber que benefícios dele tirar.

A biblioteca não atraia minha atenção, que estava voltada totalmente às palavras dos Mestres; eu era taquígrafo, registrava de 85 a 90% do que eles diziam em aula pelas minhas notas eu estudava, diretamente sem tradução. Não me passava à mente, complementar as aulas com material impresso os livros. Havia aulas empolgantes, outras nem tanto e algumas insuportáveis, mesmo para registrar a fala do Professor. Estas continham material intricado e incompreensível mesmo para usar só para as provas. Recorrer à biblioteca não era a solução, pois não sabia nem mesmo como. Foi nomeada uma bibliotecária formada, D. Dina Maria Bueno Moretti, mas continuei ausente. Quanto eu perdi!

Depois de formado fui convidado a trabalhar em uma nova instituição “Instituto Zimotécnico” que iniciou suas atividades por montar uma esmeralda Biblioteca, adquirindo livros e coleções de periódicos técnicos e científicos pertinentes. Acompanhei sua montagem aprendendo passo a passo a importância dessas aquisições e aprendi com duas fantásticas bibliotecárias, Lilia Guerrini Sega e Maria Helena Muus, o que era o sistema de classificação Dewey, como distribuir as obras nas prateleiras, como cuidar delas e com meu Diretor, Prof. Jayme Rocha de Almeida, como usá-las, como extrair delas o conhecimento que continham e que aperfeiçoavam minhas atividades, como escrever, montar artigos, pareceres e a difundir o que aprendia.

Hoje a Biblioteca da ESALQ, riquíssima em informações profissionais conta com um grupo de funcionários exemplares que praticamente tomam um consulente pela mão e o guiam pelos livros facilitando-lhe encontrar o assunto, como examiná-lo e tirar dele o melhor. A Biblioteca conta com o apoio de bibliotecárias atenciosas e muito competentes, e de pessoal auxiliar especializado e altamente interessado em evoluir, conservar o acervo, orientar e dar apoio total ao consulente. Com a máxima boa vontade e competência trabalham com amor para manter a Biblioteca com um elevado grau de excelência, para ensinar, auxiliar nas pesquisas, na confecção de teses e no ensino dos recursos tecnológicos mais modernos na área de comunicação e transmissão de conhecimentos. É inestimável o apoio aos docentes, discentes, pesquisadores daqui e alhures e outros interessados no crescimento técnico e científico.

Ingressante, conheça e aproveite dos conhecimentos armazenados na Biblioteca, e desfrute do desvelo dos funcionários de todos os níveis hierárquicos da Biblioteca. Se você, ao formar em qualquer dos cursos oferecidos pela ESALQ, tiver conseguido usufruir e guardar 5% de tudo o que a Biblioteca lhe oferece, sua vida profissional terá começado com imensas vantagens de sucesso.


quinta-feira, 10 de março de 2022

Uma história de conquistas, parcerias e gratidão


 

Prestes a se aposentar, professor José Vicente Caixeta Filho lança dois novos projetos.

Depois de 33 anos de dedicação à docência na Esalq, em 2022 chega o ano de aposentadoria do professor José Vicente Caixeta Filho, o “Professor Caixeta”. 

Ex-diretor da Esalq na gestão 2011-2014, Caixeta é reconhecido nacional e internacionalmente por suas contribuições na área de logística agroindustrial, sendo o criador e coordenador do Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial – ESALQ-LOG. 

Agora, ao completar 60 anos, Caixeta prepara a aposentadoria e se dedica a novos projetos: o primeiro é um livro, intitulado “E aí, professor Caixeta? Melhores Momentos” onde partilha sessenta marcos destes 60 anos de vida muita bem vivida. São registros emocionantes de sua história pessoal e de sua trajetória profissional que foram postados no decorrer de 2021 em seus perfis nas redes sociais, e que, agora reunidos, dão lugar a um livro resgatando os principais fatos desta caminhada. A obra tem patrocínio do grupo Esalq-Log. 

Com lançamento agendado para uma live a ser realizada no dia 16 de março, a partir das 19h30, a obra tem, também, um fim filantrópico: todos os honorários relativos aos direitos autorais obtidos com a comercialização da obra serão revertidos para os projetos sociais de uma entidade beneficente da cidade de Piracicaba, que será anunciada durante a live de lançamento. 

Mas as novidades não param por aí: além do lançamento do livro, nasce também um talk show onde Caixeta conversa com pessoas que passaram por sua trajetória e que têm histórias de vida inspiradoras para compartilhar. Trata-se do “E Aí? Toc Xou”, produção para plataformas digitais com periodicidade semanal, e da qual a primeira temporada estreia logo após o lançamento do livro. 

Vale ressaltar que as inscrições para assistir a live e participar de ambos os lançamentos é gratuita. Basta acessar o link https://bit.ly/professorcaixeta-convite e preencher o formulário online para garantir a participação. 


SERVIÇO: 

Lançamentos do livro “E aí, professor Caixeta?” e do talk show “E aí? Toc Xou” 

Dia 16 de março, 19h30, online e ao vivo 

Informações e inscrições gratuitas pelo

https://bit.ly/professorcaixeta-convite  

segunda-feira, 7 de março de 2022

Ingressantes em Engenharia Agronômica: Qual é o mal em lhes querer bem?

Divulgação

Por Prof. Evaristo Marzabal Neves


Qual é o mal em lhes mostrar que fazer o bem faz bem?

Qual o mal em lhes conscientizar que o tempo é o recurso mais escasso, perecível, bem mais valioso de nossas vidas e que saber administrá-lo com sabedoria é uma arte?

Qual o mal em alertá-los que a saúde é seu maior patrimônio e que é fundamental conservá-la de forma sadia no caminhar universitário?

Qual é o mal em afirmar que seu maior desafio é estabelecer mecanismos de autocontrole para que não se desvie em sua trajetória acadêmica?

Qual é o mal em orientá-los para a busca de seu autoconhecimento, indispensável para seu autocontrole e saúde mental, fundamental para “brecar” as ansiedades, os estresses e diminuir as possibilidades de depressão?

Qual o mal em convidá-los a participar e se envolver com ações sociais, de responsabilidade socioambiental e de solidariedade, destinando parte de seu tempo ao próximo e à natureza? É conscientizá-lo de que “A solidariedade é o sentimento que melhor expressa o respeito pela dignidade humana” (F. Kafka), ou “Nosso objetivo, principalmente nesta vida, é ajudar o próximo. E, se você não pode ajudá-lo, pelo menos tente não machucá-lo” (Dalai Lama).

Qual o mal em solicitar que tenham uma agenda e que através desta vivam o presente planejando o futuro, na busca da otimização (máxima redução) dos custos da informação e comunicação? Palavra-chave na sua formação acadêmica é PLANEJAMENTO e, saiba que: “Só planeja bem, aquele que bem conhece” (E.M.Neves)

Qual é o mal em conscientizá-los de suas responsabilidades diante da sociedade paulista que lhes fornece um ensino gratuito, privilegiado, elitizado e ainda oferece restaurante universitário com refeição subsidiada, salas de informática e acesso à internet/provedor de graça, atendimento médico, odontológico e psicológico no Campus, intercâmbios em outros países, praça esportiva no Campus, bibliotecas, auxílios alimentação, moradia, transporte e livro, curso de inglês gratuito e bolsas de apoio e de permanência, nestes três últimos, seleção com base em critérios acadêmicos e/ou socioeconômicos, e, da sociedade brasileira (alguns terão bolsas CNPq, Capes, Sesu/MEC, de intercâmbio, de permanência e outras) quando muitos que aspiram suas posições universitárias, principalmente os mais carentes socialmente, ficam a margem da gratuidade do processo de ascensão social e formação educacional universitária pública?

Vocês já imaginaram qual sua mensalidade paga pela sociedade?

Por favor, se conscientizem. Diante de uma realidade acadêmica em que há uma exagerada proteção em blindagem/redoma é o caso da sociedade que o mantem perguntar: enquanto estudante, que tipo de retorno socioambiental pode oferecer?

Por favor, se transformem de saída em “Filhos DE Luiz de Queiroz” e não meros “Filhos da Luiz de Queiroz”.

Se vocês se omitem, negligenciam, desperdiçam ou ironizam as facilidades e oportunidades oferecidas de “mão beijada” e com alto custo social, e simplesmente dizem “que se danem”, poderá haver um dia, apoiada no ditado “aqui se faz, aqui se paga”, em que numa pior na vida, ao pedir socorro ou auxilio a esta sociedade, que você desprezou e humilhou, poderá receber um “do que está reclamando?”, ou melhor: “você que se dane, seu ingrato”. Gostaria que acontecesse com você?


----------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Obs. Para leitura e reflexão do ingressante em Engenharia Agronômica – Disciplina: Vida Universitária e Cidadania - após leitura e reflexão de: Filho DA Luiz de Queiroz e Filho DE Luiz de Queiroz: São sinônimos?

Complementando para reflexão: De John Kennedy: Não pergunte o que o seu país pode fazer por você; Pergunte o que você pode fazer por seu país.  Para o autêntico Filho DE Luiz de Queiroz, vale: Não pergunte o que a ESALQ pode fazer por você (já faz muito). Pergunte o que você pode fazer pela ESALQ (como retorno para sua grandeza, compartilhando problemas, cooperando e ajudando nas soluções). Não se omita.

Nesta direção lembrando Olavo Bilac: Ame com fé e orgulho a terra em que nasceste! Criança! Não verás nenhum país como este! Para o genuíno Filho DE Luiz de Queiroz: Ame com fé, dedicação, empenho e orgulho a escola que escolheste. Jovem ingressante! Não verás no Brasil nenhum ensino como este.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022


 

A partir de 03 de março de 2022, a Divisão de Biblioteca da Esalq retomará suas atividades presenciais de atendimento, de segunda a sexta-feira, das 8 às 17h. 

Reiteramos ao usuário a obrigatoriedade do uso de máscara durante a sua permanência na biblioteca, conforme Decreto Estadual 64.959, de 04 de maio de 2020, bem como, o cumprimento dos protocolos sanitários definidos pela Reitoria da USP para evitar a transmissão do coronavirus.


terça-feira, 15 de fevereiro de 2022

24 dicas de livros disponíveis na plataforma CAB eBooks

 


Selecionamos 24 ebooks sobre agricultura e ciências da vida aplicadas da CAB International. Acesse www.cabi.org/cabebooks/ e descubra muito mais títulos interessantes: 

  1. Applied crop physiology: understanding the fundamentals of grain crop management
  2. Sweet cherries
  3. Hydroponics and protected cultivation: a practical guide
  4. Guava: botany, production and uses
  5. Nutrition and feeding of organic cattle
  6. Molecular breeding in wheat, maize and sorghum: strategies for improving abiotic stress tolerance and yield
  7. Crop pollination by bees, V.1: Evolution, ecology, conservation, and management
  8. Techniques for work with plant and soil nematodes
  9. Insects as animal feed: novel ingredients for use in pet, aquaculture and livestock diets
  10. The pomegranate: botany, production and uses
  11. Diagnosing hemp and cannabis crop diseases
  12. Bridging research disciplines to advance animal welfare science: a practical guide
  13. Urban ecology: its nature and challenges
  14. Carrots and related Apiaceae crops, 2nd edition
  15. Transcriptomics in entomological research
  16. Gene flow: monitoring, modeling and mitigation
  17. Plant invasions: the role of biotic interactions
  18. Ecology of freshwater nematodes
  19. Food gardens for a changing world
  20. Cut flowers and foliages
  21. The papaya: botany, production and uses
  22. Field trials in oil palm breeding: a manual
  23. Tropical root and tuber crops: cassava, sweet potato, yams and aroids
  24. Cucurbits


quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

Saiba como fazer uma boa pesquisa acadêmica em 10 passos

 


O que você considera como maiores desafios na vida do estudante universitário: conciliar múltiplas tarefas, fazer trabalho em grupo sem conflitos, apresentar seminário ou entregar uma pesquisa acadêmica digna de nota máxima?

Se a sua maior apreensão é em relação aos trabalhos com metodologia científica, pode diminuir essa tensão. Neste post, trouxemos 10 passos indispensáveis para você fazer uma ótima pesquisa acadêmica. Está a fim de conhecer as dicas que vão fazer toda a diferença no seu desempenho na faculdade? Leia o que vem a seguir!


1. Escolha um tema de seu interesse

Seja qual for o tipo de trabalho acadêmico que você vai fazer — artigo científico, base teórica para apresentação de seminário, projeto de pesquisa para o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) etc. — o primeiro passo é escolher um tema que você tenha interesse em explorar.

Afinal, você vai precisar dedicar umas boas horas na elaboração de sua pesquisa acadêmica. Pensando assim, quanto maior a afinidade com o tema, mais o seu trabalho vai render.


2. Defina um cronograma para sua pesquisa acadêmica

Pesquisas acadêmicas mais longas, como o próprio TCC, requerem um cronograma detalhado para acompanhar a evolução do projeto. Isso, inclusive, facilita a vida do estudante, já que divide a preparação do trabalho em várias pequenas etapas.

Assim, você pode definir prazos para coletar as referências, fazer a leitura e a marcação dos trechos mais importantes de todos os materiais utilizados, construir o esboço do trabalho e assim por diante.


3. Elabore um bom roteiro de pesquisa

Você pode requintar ainda mais o cronograma da sua pesquisa acadêmica e estipular um roteiro dos subtemas que serão abordados. Na conceituação teórica do seu trabalho, é possível, por exemplo, explorar os aspectos históricos e culturais do tema principal.

Vamos a um exemplo mais prático: supondo que você seja um estudante de Psicologia e sua pesquisa acadêmica vai falar sobre a aplicação das técnicas cognitivo-comportamentais em adolescentes com depressão. Ao longo do trabalho, você pode abordar os aspectos envolvidos na depressão infanto-juvenil, as principais psicoterapias utilizadas, o desenvolvimento histórico da terapia cognitivo-comportamental etc.

Tenha em mente os assuntos que serão explorados em conjunto para atingir os objetivos gerais e específicos do trabalho. Assim, fica mais fácil definir um roteiro para sua pesquisa acadêmica e se dedicar a um tema por vez.


4. Diversifique os conteúdos bibliográficos

Num passado não muito distante, as pesquisas acadêmicas eram fundamentadas exclusivamente em livros de especialistas, artigos impressos e revistas científicas. Hoje, temos uma facilidade incrível para encontrar boas referências na internet. Mas é preciso tomar cuidado e saber encontrar as fontes certas, aquelas que vão trazer informações verdadeiras e relevantes e enriquecer sua pesquisa.

Mas não abandone totalmente os bons e tradicionais livros. Nesse tipo de material, é certo que as teorias e os dados levantados foram feitos por estudiosos experientes em sua área de formação. Por isso, se você ainda desliza no hábito da leitura, aproveite para se dedicar um pouco mais.


5. Busque referências confiáveis

Nessa era de informações totalmente acessíveis, qualquer assunto que você procura na internet é encontrado. Mas lembre-se de que uma pesquisa acadêmica tem um peso maior. Então, busque fontes ricas e confiáveis para colocar qualidade e veracidade em seu trabalho.

Bons exemplos são as plataformas de dados científicos, como Scielo e CAPES, ou o próprio Google Acadêmico, que reúne artigos de outros pesquisadores, assim como materiais acadêmicos — TCCs, teses e dissertações — aprovados por grandes instituições de ensino.


6. Não caia no erro do plágio

Algo que tira pontos de uma pesquisa acadêmica e fere a credibilidade de qualquer universitário ou profissional formado é o conteúdo plagiado. Plágio, além de ser totalmente inadequado, é considerado crime, e o estudante tem muito a perder com essa conduta.

Por isso, é fundamental estudar sobre as normas das pesquisas acadêmicas e aprender como fazer as citações da forma certa. Isso significa que você pode transcrever alguns trechos curtos das obras e artigos consultados — sem excessos, para não poluir seu trabalho — desde que faça a devida citação do autor original.


7. Cuidado com as normas técnicas do trabalho

Conforme o tipo de pesquisa acadêmica, existem normas específicas a serem seguidas para estruturar o trabalho. Você deve se informar sobre isso com antecedência para entregar um projeto dentro dos padrões exigidos pela entidade regulamentadora — com frequência, são utilizadas as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Tamanho e fontes do tema, recuo das margens, espaçamento entre as linhas, formatação dos títulos e subtítulos são algumas das questões que devem ser observadas na estruturação de uma pesquisa acadêmica.


8. Capriche na introdução e na conclusão

Desde os primeiros contatos com a escrita de redações, começando lá no ensino básico, os estudantes são orientados a colocar introdução e conclusão em seus textos — você se lembra disso? Na pesquisa acadêmica, isso também é importante.

A introdução é o espaço em que você deve fazer um apanhado geral dos assuntos que serão elencados, contextualizando o tema principal da pesquisa. Também é nessa parte do trabalho que o estudante apresenta a justificativa de seu estudo, assim como a relevância social e científica do projeto em questão.

Na conclusão, o autor ressalta os resultados obtidos e reflete sobre a necessidade de novas pesquisas para explorar o tema com mais profundidade.


9. Faça uma boa revisão do trabalho

Leia e releia a sua pesquisa acadêmica quantas vezes achar necessário. Faça uma revisão cuidadosa para identificar erros ortográficos e gramaticais, assim como falhas de formatação ou mesmo para inserir informações importantes que faltaram. O ideal é entregar um trabalho redondinho e digno de uma boa nota, certo?


10. Dedique-se muito

Claro que todas essas dicas para fazer uma pesquisa acadêmica de qualidade só vão se concretizar se você colocar um elemento indispensável: a dedicação. É compreensível que a jornada universitária seja cansativa, mas vale a pena manter o empenho e a motivação para estudar e colher os melhores resultados possíveis dessa experiência.

Com todas as técnicas de estudo que você já conhece e com essas dicas que listamos para fazer uma boa pesquisa acadêmica, não tem erro: é certo que você vai mandar muito bem nos seus trabalhos de faculdade!

Que tal divulgar essas dicas e facilitar a vida de outros estudantes? É só compartilhar nosso post em suas redes sociais e levar informação útil aos seus amigos!


Fonte: https://blog.unicesumar.edu.br/pesquisa-academica